sexta-feira, 20 de julho de 2012

Ilha Bouvet



Nome oficial: Bouvetøya
População: desabitada
Ilha da: Noruega
Idioma: nenhum

A Ilha Bouvet é uma pequena ilha vulcânica, muito inacessível, e fica no sul do Oceano Atlântico, a sudoeste da Cidade do Cabo (África do Sul). É considerada a ilha mais remota do mundo. O região continental mais próxima é a Terra da Rainha Maud, na Antártica, a mais de 1.750 km ao sul.


Essa ilha vulcânica desabitada foi descoberta em 1739 por um oficial da marinha francesa por quem a ilha tem seu nome. Nenhum país reivindicou a ilha até 1825, quando a bandeira britânica foi colocada lá. Em 1928, o Reino Unido revogou sua reivindicação em favor da Noruega, que havia ocupado a ilha desde o ano anterior. Em 1971 a Ilha Bouvet e as águas territoriais adjacentes foram designadas como reserva natural. Desde 1977 a Noruega possui uma estação meteorológica automatizada na ilha.


A paisagem natural: A ilha possui somente 58 km² e se levanta abruptamente do oceano, com penhascos de quase 500 metros de altura. Quase toda a ilha é coberta por uma imensa geleira. O ponto mais alto é o Pico Olav, com 780 metros de altura.


Como chegar: Como toda a ilha é uma reserva natural, normalmente você terá sua autorização negada, caso o propósito de entrada seja somente turístico, apesar de que se chegar até lá, não encontrará nada parecido com um posto da imigração norueguesa. Mas se você realmente tiver que ir até lá, o melhor modo é descobrir quando a próxima expedição científica irá para a ilha, e perguntar se você pode se juntar a eles. Se você tiver algum trabalho útil para o local, como pesquisador de regiões polares, biólogo, pesquisador geológico, piloto de helicóptero ou médico, você provavelmente será bem-vindo. Houve pelo menos um caso desse no passado, quando um grupo de rádio-amadores obtiveram permissão de ir para a ilha em uma expedição para colocar uma estação de rádio amadora para comunicação com o resto do mundo.


Não existe nada que possa ser utilizado como porto, apesar de ser possível ancorar fora da ilha. Se você quiser arriscar sua vida, você pode tentar usar um barco pequeno com motor de popa para entrar na ilha. Há relatos de que isso funciona, mas muitas pessoas tentaram e decidiram que não valia o risco. O modo mais seguro de ir é de helicóptero, a partir de um navio.


Internet: Por alguma razão, a convenção de domínios da internet deu a Bouvet sua própria terminação (.bv), apesar de ser muito improvável que alguém vá morar lá. Por causa disso, a Noruega - país que administra a ilha - decidiu que o domínio .bv permaneceria inutilizado.

Vídeo: Quer ter uma sensação de como é estar em Bouvet? Ligue a caixa de som no máximo e coloque o vídeo em tela cheia. Sim, é isso aí mesmo!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Sakhalin


Nome oficial: Сахалин
População: 580.000
Ilha da: Rússia
Idioma: russo, coreano, japonês

O que é: Sakhalin, anteriormente conhecida como Karafuto pelos japoneses, é uma enorme ilha com pouca povoação que foi centro de uma longa batalha entre a União Soviética e o Japão pelo controle de seus recursos petrolíferos e de gás. Sakhalin é um belo local, porém com setor turístico ínfimo. Por causa dos negócios no campo energético, entretanto, existem bons restaurantes e hotéis para estrangeiros.


Clima: Graças ao gelado Mar de Okhotsk que cerca a ilha, o clima em Sakhalin geralmente é frio e úmido. No auge do inverno as temperaturas variam entre aceitáveis -6°C no sul a congelantes -24°C no norte, e até mesmo temperaturas tão frias quanto -54°C foram registradas. No verão as temperaturas raramente passam dos 19°C, normalmente é bem mais frio, e gelo pode ser observado ao redor da ilha, até mesmo no pico do verão.


Falando: Assim como no restante da Rússia, o russo é o idioma predominante, mas também existem em torno de 30 mil coreanos, apesar de que muitos deles não falam coreano. Eles estão mais concentrados na capital da ilha, que também possui uma notável minoria de azeris - especialmente entre os taxistas. Devido à proximidade com o Japão, você poderá encontrar funcionários de melhores hotéis em Yuzhno-Sakhalinsk que entendam japonês.


Como chegar: Stalin tentou construir um túnel sob o Estreito Tatarsky com trabalho forçado de povos da Sibéria, mas a construção foi abandonada após alguns quilômetros serem construídos, e apesar de haver vontade de que a obra um dia se torne realidade, não existe nenhuma perspectiva real para que isso ocorra. Brasileiros não precisam de visto para visitar a Rússia, porém o gigante euroasiático declarou, em 2008, que Sakhalin é uma região especial de fronteira e, desse modo, a visitação de estrangeiros ao local é restrita, com exceção da cidade de Yuzhno-Sakhalinsk, que é excluída dessa região. Não-russos precisam ir até a Guarda Federal de Fronteiras na chegada para conseguir uma permissão de viagem para fora da cidade. Existem postos de fiscalização muito severo em todos os pontos de saída da cidade.


Em geral, os turistas só podem receber uma permissão se estiverem com reserva em algum pacote turístico feito através de uma agência de viagem licenciada. Adicionalmente, a menos que você tenha feito todo o procedimento com um agente de viagem e o seu guia estiver te esperando em seu porto de entrada, você precisará ter todos os seus detalhes de viagem escritos em russo. Estrangeiros são entrevistados para obter qualquer permissão, e as chances de você encontrar um oficial que fale inglês (ou qualquer outra língua) são muito baixas. Se você conseguir uma permissão, ela dirá onde exatamente na ilha você poderá ir.


Existem várias linhas de ferry boats ligando o continente a Sakhalin, mas a menos que você tenha tempo, paciência e prática em russo, sua escolha se torna limitada ao barco que sai de Vanino, no continente, e vai até Kholmsk, na costa leste da ilha. Vanino é ligada ao serviço ferroviário russo através de um trem diário para Vladivostok, com paradas em Komsomolsk e Khabarovsk no caminho. Nos meses de verão, outra opção é o barco japonês que liga Korsakov, na ponta sul da ilha, até Wakkanai, no norte da ilha Hokkaido (Japão).


A indústria petrolífera garantiu uma abundância enorme de opções de se chegar de avião a um local tão remoto quanto Sakhalin. O aeroporto em Yuzhno-Sakhalin possui conexões não somente para as principais cidades no extremo leste da Rússia, mas também voos para o Japão, Coreia do Sul e China, várias vezes por semana. Se você desconfia em voar com uma companhia aérea russa, a única outra opção é o voo de uma vez por semana da Asiana, a partir de Seul (Coreia do Sul).


O que ver: Uma escapada da cinzenta Yuzhno-Sakhalinsk é o Lago Tunaycha, uma região de lagos rasos que inclui o maior lago de água doce da ilha; a Ilha Moneron é uma ilha desabitada próxima a Kholmsk, muito popular entre mergulhadores e observadores de pássaros; a Ilha Tyuleniy, ou Ilha das Focas, é um dos maiores rochedos de focas e leões-marinhos do mundo, e também de muitas espécies de aves; as Montanhas Vaida fazem parte de uma reserva natural e era a antiga divisão entre a Sakhalin russa e japonesa, palco de muitas batalhas.


O desastre: "Civil? Ele voou sobre Kamchatka!" Foi com essas palavras que começou um grave incidente da Guerra Fria, quando o voo da Korean Air Lines 007, devido a uma série de erros de pilotagem, acabou entrando no espaço aéreo soviético e foi abatido bem sobre Sakhalin por caças soviéticos, mesmo após ter conseguido com sorte escapar dos caças sobre a península Kamchatka devido ao mau tempo. Após um breve período de suspense digno de cinema, o avião mergulhou no mar próximo à Ilha Moneron, matando todos os 269 a bordo. Provavelmente foi a única vez que essa remota parte do mundo esteve nas notícias do mundo todo.

Vídeo: Parte de um programa da americana PBS sobre a questão do petróleo em Sakhalin. O vídeo completo pode ser visto no site oficial do programa.